segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Lua



Há algum tempo ele não a via.

Talvez pelos dias nebulosos, talvez pela sua pressa em cuidar das coisas que, naquele tempo, tinha julgado por importante e urgente. Até havia esquecido as sensações que ela lhe trazia.

Nesse dia as nuvens se abriram por um espaço de tempo, como formando caracóis, dando-lhe corpo e forma. Outra vez lá estava ela, mais linda, notável e brilhante que todas as estrelas no céu.

Ela, por sua vez, sempre esteve perto. Mas talvez fosse ele quem era novo demais para conseguir notá-la. De fato, com seus amigos ele até mesmo já comentou, já sentou para observa-la, sem dar conta do quanto ela era importante pra ele.

Nossa vida é formada pelas nossas oportunidades. Até mesmo as que perdemos.

Ele a reconheceu pela primeira vez aos 15 e passou a observar distante a sua beleza e importância. Maremotos, contos, superstições, histórias e diversos mitos foram criados ao redor dela. Difícil distinguir o que é falso e verdadeiro. Porém, uma certeza: Todo dia ela estava lá.

Como o amor distante, desencontrado e constante de Benjamin e Daise, Jamal e Latika, ele passa a entender o conto do Wolverine e sua lua. No fundo ele gostaria de tê-la pra chamá-la de sua e, mesmo em meio às impossibilidades, a dúvida sempre pairou em seu coração sobre como isso seria. Estaria ela feliz e segura ao seu lado? Suportariam um ao outro quando, inevitavelmente, entrassem em rota de colisão?

Aquela cena durou apenas alguns segundos, no tempo que estava determinado a durar. O suficiente para Deus lembra-lo de quão sortudo era por estar vivo.

Embora muitos tenham tentado dominá-la, cravar nela sua bandeira, ali estava ela. Tão suave e serena quanto imponente e brilhante! Mais do que todas as estrelas que ele via no seu céu.

Nunca sabemos o que nos espera. A única coisa que podemos fazer é abrir mão e aceitar o que acontecer.

Finalmente entende que a vida não é tão complicada, mesmo quando estamos à procura daquilo que não sabemos. Enfim descansa e relaxa seu corpo e, deitado com a cabeça no seu travesseiro, mais uma vez diz, mesmo sabendo que seria impossível que ela o ouvisse: BOA NOITE!

4 comentários:

Lita* disse...

liiiiiiiiiiiiiinda

João Romova disse...

seus textos estão ficando lindos, excelentes, bem escritos e inspirados... uma amiga minha diria ao ler isso aqui... "hmmmmm aqui tem algo de literário!" hehehehe

to ficando cada vez mais surpreso com a sua escrita...

abração!!

T3 disse...

Eu sempre achei que vc faz coisas que não é.

Você é poeta e (talvez) não sabe. =D

Excelente texto cara! Muito bom mesmo.

--

Lua
===
(Arécio Junior)


Há algum tempo ele não a via

Talvez pelos dias nebulosos,
talvez pela sua pressa
em cuidar das coisas que,
naquele tempo,
tinha julgado por importante e urgente

Até havia esquecido as sensações que ela lhe trazia

Nesse dia as nuvens se abriram por um espaço de tempo,
como formando caracóis,
dando-lhe corpo e forma

Outra vez lá estava ela,
mais linda,
notável e brilhante
que todas as estrelas no céu

Ela,
por sua vez,
sempre esteve perto

Mas talvez fosse ele quem era novo demais para conseguir notá-la

De fato,
com seus amigos
ele até mesmo já comentou,
já sentou para observa-la,
sem dar conta do quanto ela era importante pra ele

Nossa vida é formada pelas nossas oportunidades.
Até mesmo as que perdemos.

Ele a reconheceu pela primeira vez aos 15
e passou a observar distante
a sua beleza e importância

Maremotos,
contos,
superstições,
histórias e diversos mitos
foram criados ao redor dela

Difícil distinguir o que é falso e verdadeiro
Porém, uma certeza:
Todo dia ela estava lá

Como o amor distante,
desencontrado e constante
de Benjamin e Daise,
Jamal e Latika,
ele passa a entender o conto do Wolverine e sua lua

No fundo ele gostaria de tê-la
pra chamá-la de sua
e,
mesmo em meio às impossibilidades,
a dúvida sempre pairou em seu coração
sobre como isso seria

Estaria ela feliz e segura ao seu lado?
Suportariam um ao outro
quando, inevitavelmente,
entrassem em rota de colisão?

Aquela cena durou apenas alguns segundos,
no tempo que estava determinado a durar

O suficiente para Deus lembra-lo
de quão sortudo era por estar vivo.

Embora muitos tenham tentado dominá-la,
cravar nela sua bandeira,
ali estava ela

Tão suave e serena
quanto imponente e brilhante!
Mais do que todas as estrelas que ele via no seu céu

Nunca sabemos o que nos espera

A única coisa que podemos fazer
é abrir mão
e aceitar
o que acontecer

Finalmente entende que a vida não é tão complicada,
mesmo quando estamos à procura
daquilo que não sabemos

Enfim descansa
e relaxa seu corpo
e, deitado com a cabeça no seu travesseiro,
mais uma vez diz,
mesmo sabendo que seria impossível
que ela o ouvisse:

BOA NOITE!

Regina disse...

Eita cabra bom da peste!